Aperte "Enter" para pular para o conteúdo

Médico de plantas: identificando deficiências nutricionais no milho safrinha.

Como identificar os sintomas das principais deficiências nutricionais em milho segunda safra?

Assim como os animais, as plantas, apresentam sintomas quando algo está em desconformidade.

Ataque de insetos, doenças, fitotoxidez, entre outros problemas podem surgir, mas o que as vezes é negligenciado são as deficiências nutricionais.

Quando a quantidade exigida de um certo nutriente não é fornecida, o milho apresenta sinais específicos de deficiência.

Assim quando o produtor for examinar as suas plantas, como um médico, deverá estar atento aos sinais que elas possam estar demonstrando.

É importante que o agricultor entenda e identifique esses sinais de deficiências nutricionais no milho safrinha por ele ser uma das principais atividades na agricultura brasileira.

Mas como identificar?

Primeiramente, se você é um curioso ou em algum momento pesquisou sobre o assunto, já ouviu falar em nutrientes móveis e imóveis nas plantas. Este é um importante ponto para o diagnóstico.

Vamos lá: um nutriente móvel é quando o milho consegue mudar o local do nutriente dentro da planta.

Por exemplo: quando uma folha velha começa a secar, o milho consegue retirar o nutriente dessa folha e carregá-lo para outra parte da planta que está crescendo, como as folhas novas ou a espiga.

Os nutrientes imóveis, como o nome sugere, são impossibilitados de realizar seu transporte no milho.

Mas no que isso implica?

Principalmente onde os sinais de deficiência irão aparecer, ou seja, quando o nutriente é móvel seus sintomas de deficiência aparecerão nas folhas mais velhas e quando imóveis, nas folhas novas.

Vamos ver abaixo os sintomas que o milho te mostrará caso ocorra uma deficiência de nitrogênio, fósforo, potássio, cálcio ou magnésio:

NITROGÊNIO

A princípio a deficiência de nitrogênio é identificada sempre nas folhas mais velhas das plantas.

Ocorre uma clorose (amarelecimento) em forma de “V” da ponta da folha progredindo para a base da folha. Em estágio avançado de deficiência essa clorose evolui para morte.

Nas espigas o sintoma é verificado com o tamanho reduzido e com baixo teor de proteína nos grãos.

Figura 1. Sintomas de deficiência nutricional de nitrogênio nas folhas e espigas de milho.


Fonte: brasil.ipni.net e Gransafra.

FÓSFORO

A deficiência de fósforo inicia com tons de verde mais escuro nas bordas das folhas velhas, às vezes imperceptível, mas evolui para tons arroxeados nos bordos.

Bem como as folhas, o colmo também pode apresentar os mesmos sintomas.

Essa deficiência afeta diretamente a polinização das flores do milho, assim as espigas formadas são pequenas, falhadas e retorcidas.

Figura 2. Sintomas de deficiências nutricional de fósforo em folhas e espigas de milho.


Fonte: brasil.ipni.net e Gransafra.

POTÁSSIO

A princípio a deficiência de potássio se manifesta com uma clorose em forma de “V” invertido nas folhas velhas, evoluindo para necrose.

Em alguns casos em que há grave deficiência a clorose pode não ser percebida, acontecendo diretamente a morte, sendo que os dois sintomas evoluem dos bordos até a base da folha.

Por outro lado na espiga além de reduzir o tamanho, os grãos da ponta não se desenvolvem, podendo chegar a ter grãos soltos da espiga.

Figura 3. Sintomas de deficiências nutricional de potássio em folhas e espigas de milho.


Fonte: brasil.ipni.net e Gransafra.

CÁLCIO

O cálcio é o único nutriente imóvel no milho que falaremos aqui, então os sintomas de deficiência irão ocorrer em folhas jovens, no ápice da planta.

A princípio podemos observar um aspecto gelatinoso das folhas, após isso elas começam a ter torções e morrer.

Figura 4. Sintomas de deficiências nutricional de cálcio em folhas de milho.


Fonte Ferreira, M.M.M. Sintomas de deficiência de macro e micronutrientes de plantas de milho híbrido BRS 1010. Revista Agro@mbiente. v. 6, n.1, p. 74-83, 2012.

MAGNÉSIO

Da mesma forma, a deficiência de magnésio pode ser facilmente observada com o surgimento de uma clorose internerval (amarelecimento entre as nervuras da folha).

Além disso, vale ressaltar que as folhas afetadas são sempre as mais velhas e ficam com aparência de “estriado”.

Figura 5. Sintomas de deficiência nutricional de magnésio em folhas de milho.


Fonte: brasil.ipni.net.

CONCLUSÃO

Em suma os sintomas de deficiência nutricional podem apresentar variações dependendo do híbrido utilizado e do estádio de desenvolvimento que a falta do nutriente ocorre.

Seja como for, sempre que surgir deficiências no início do desenvolvimento da cultura damos uma dica:

O principal sinal é a redução na estatura da planta, para todos os nutrientes tratados aqui.

Por fim, como médicos, devemos estar sempre atentos a outros fatores para realizar o diagnóstico, reunindo informações sobre sua lavoura, como:

Assim, quem melhor para saber isso se não o produtor rural? Na próxima consulta fique atento ao que seu milho está contando.

Matéria por: Abelino de Souza Junior

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *