Aperte "Enter" para pular para o conteúdo

Plantas daninhas em milho safrinha

Plantas daninhas em milho safrinha, sua importância e maneiras que poderão ajudar no controle

O milho safrinha atualmente em nosso país possui produção de 70% do milho cultivado no Brasil, contra apenas 30% que o milho primeira safra. Ele é cultivado principalmente no centro-sul, em condições normais, e em outros estados, em condições de irrigação.

O controle de plantas daninhas é um dos principais pilares para o sucesso do cultivo desse cereal. Esse controle deve ser encarado como investimento, pois interferirá diretamente na lucratividade, no final da safra. 

As plantas daninhas atrapalham de várias formas a lucratividade. Elas competem diretamente com a cultura por água, nutrientes e luz solar, e podem ser alelopáticas ao milho (efeito de processos metabólicos da planta daninha que pode interferir na germinação, crescimento ou desenvolvimento da cultura).

Confira aqui cinco das principais plantas daninhas presentes nas áreas de cultivo do milho safrinha:

CARURU 

É uma planta invasora que se espalha muito rápido em lavouras, pois tem capacidade anual de produzir 200 a 600 mil sementes, que ficam viáveis por muito tempo no solo, porém, se soterrada não emergirá. 

Essa planta afeta o desenvolvimento do milho, podendo ser alelopática, e disputa por nutrientes, água e luminosidade. As perdas geradas por essa invasora podem chegar a até 80%. Pode ser hospedeiro de insetos, ácaros e doenças. 

CORDA DE VIOLA 

Essa planta invasora é uma forte competidora por luz solar. Dependendo da infestação pode encobrir a cultura cultivada, diminuindo sua taxa de fotossíntese. Retarda o crescimento das culturas, competindo por água e nutrientes, e na colheita causa prejuízos por seus ramos se entrelaçarem nas plantas, impedindo que a colheitadeira opere corretamente. 

CAPIM AMARGOSO 

Planta daninha de difícil controle, compete por luz água e nutrientes com o milho. É de difícil controle pois apresenta um bom desenvolvimento em solos com alta ou baixa fertilidade, e grande taxa de rebrota por conta de se formar em touceiras. 

TRAPOERABA 

Competem diretamente com o milho por luz, água e nutrientes, podendo diminuir a lucratividade da lavoura. Por possuir altos níveis de água em seu caule pode prejudicar o processo de colheita do cereal. Podem ainda hospedar insetos prejudiciais ao milho. Essa planta possui grande produção de sementes e capacidade de criar novas plantas a partir de pedaços de ramos. 

CAPIM PÉ DE GALINHA 

Planta daninha que se desenvolve muito bem em qualquer tipo de solo.  Compete com o milho por nutrientes, água e luz, e produz mais de 120 mil sementes por planta, que são facilmente levadas pelo vento. Pode ser hospedeiro de vírus, fungos e nematóides, e possui histórico de resistência a herbicidas em vários países, incluindo o Brasil. 

CONTROLE

Identificou alguma planta invasora em sua lavoura e não sabe qual a melhor forma de controle? Relaxa, vamos te dar algumas dicas:

  • Ter cuidado com controle químico, buscando saber se o herbicida causa fito ou efeito residual na cultura é essencial;
  • Deve-se sempre ter cuidado com a aplicação, mantendo sempre uma boa qualidade, e implementos revisados e adequados para sua área de cultivo;
  • Realizar aplicações pré-semeadura e respeitar seu intervalo até o plantio é IMPORTANTÍSSIMO;
  • A realização de rotação de culturas é uma das principais formas de controle de plantas daninhas;
  • O plantio direto na maioria das vezes evita que as plantas daninhas nasçam, pois, a camada de palhada presente no solo evitará que a luz penetre e que ocorra a germinação. 
  • Procure sempre a consultoria de um profissional da área para tomada de decisão. 

CONCLUSÃO

Vimos neste material os grandes números de produção de milho safrinha no país, e qual a importância de cultivá-lo sem a presença de plantas daninhas. 

Vimos ainda cinco das principais plantas invasoras que atrapalham o cultivo desse cereal, e algumas dicas de controle para essas plantas.

Faça o planejamento de sua safra, opte por métodos de controle menos agressivos, como a rotação de culturas, que contribui não só para isso, mas também para melhorias do solo e conservação de nutrientes. 

Fique de olho em sua lavoura, e bom cultivo! 

Os comentários estão fechados.